Retour

Borges Filipa


Uma Europa carenciada.

 

Ainda está escuro. O frio percorre-me a cara enquanto que o meu corpo é aquecido por cobertores. Ao levantar-me, espreito pela janela. Há geada em todos os telhados e o ar gélido entra pelas ranhuras das portas.

O sol ainda não nasceu pelos lados montanhosos da europa e o meu aquecedor já pouco ou nada me serve então vejo-me obrigado a entrar no duche incrédulo. Quase não corre água e a curto prazo já não há água aquecida; Não há garrafas de gás em casa para aquecer os alimentos e a água devido aos preços elevados.

Na cozinha: uma televisão que demonstra revoltas políticas, crises económicas, guerras e desastres, e um frigorífico vazio (Ainda não recebi da companhia para a qual contribuo). As janelas embaciadas refletem o meu ser enquanto disfruto de uma fatia de pão que encontrei por aí; os alimentos são caros e o meu estado de saúde é afetado pela minha fraca nutrição.

Ao sair de casa caminho até á estação de comboios. Por esta hora começa a aparecer claridade e nunca me atraso para a viagem que me desloca para a cidade na qual fui colocada para trabalhar. Não há ninguém nas ruas por causa do frio e muito menos trabalhadores nos comboios ou nos metros ou nos autocarros; houve greves. Não consegui chegar ao meu serviço e perdi um dia de trabalho, perdi uma semana de trabalho, perdi umas semanas de trabalho; no final: o rendimento acabou por não chegar para as despesas e assim corro risco de desemprego e de desalojamento.

 

Sou um europeu carenciado.




Envoyé: 11:39 Thu, 16 February 2023 by : Borges Filipa age : 15